sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Queremos Escutar Qualquer Som

Hey, estou falando com você. Eu sou a QEQS, ou o QEQS, ou os QEQS, ou até x QEQS. E este é meu, quer dizer, nosso blog.

Pensa numa turma bem legal de adolescentes na casa dos 40 anos (há exceções), que decidiram formar uma banda e aprender a tocar... Podia dar ruim, mas não deu. Tudo começou quando estas pessoas, sem se conhecerem nem terem tocado antes, decidiram entrar numa escola de música diferente, a School of Rock. Sim, tem a ver com o filme que você viu, mas na real, foi a School de verdade que inspirou o filme. Podem googlar, eu espero. Só volta depois que ainda não acabei.

Então, quem vos escreve neste instante é o inquieto, barulhento e sempre nerd baterista da banda. Mas não vou falar de mim (ainda), porque passei por aqui só para apresentar brevemente quem somos como banda, o que queremos, e qual o propósito de blogar.

Este registro ficará para a história; nós pensamos originalmente no snapchat, instagram, twitter e tantos outros, mas tudo isso soa muito efêmero. Passa a sensação do momento, mas perde valor logo depois que foi lido ou assistido. Tem seu valor, claro, mas não perdura do jeito que o faz uma boa música. Provavelmente, com o tempo, entremos na onda de postar algumas coisas em outras redes, mas por enquanto, vamos registrar nossa "experiência" de tocar juntos por aqui.

A primeira pergunta que fazem pra gente é óbvia: O que quer dizer QEQS?

Posso adiantar que nasceu como um acrônimo, mas hoje é muito mais do que isso. Aconteceu que quando nos perguntavam o que era QEQS, os fãs já vinham chutando o significado, e tentando adivinhar; pessoalmente, achei legal isso, e decidimos não revelar como surgiu. Até porque nessa vibe de ouvir chutes, escutamos alguns nomes bem legais. Tenho certeza que você, lendo isto agora, também está pensando alguns nomes possíveis. Por isso decidimos que seria QEQS, e que o significado será sempre diferente, ou nenhum deles, ou todos eles.

Vamos ao som.

Nós tocamos Rock, com maiúsculas, na maior parte do tempo. Temos nossas recaídas, mas passam logo. O mais curioso é que fizemos um exercício onde cada membro da banda escolheu uma música para tocarmos, e não houve uma coincidência, nem no estilo. Prova que dá para ser bem eclético, sem perder a amizade. Daí que vamos de Black Sabbath até Queen, de Dire Straits até Lobão, de Pearl Jam até Creedence. Não tem tempo ruim, e isso é muito bom :-)

Hoje, graças à School e ou nosso eterno guru e diretor musical, estamos numa fase de tocar os Stones. Logo teremos notícias para quem quiser nos ver tocando por aí, mas atualmente estamos na fase dos ensaios. Assim que puder, passo mais detalhes.

Ontem mesmo fizemos um ensaio bem produtivo, passando por dois dos nossos setlists, e arrumando detalhes como convenções, viradas e outras frescuras que nem sabíamos que existiam antes de ter banda. Tenho que falar mais disso, da transformação que faz ter uma banda pra chamar de sua. Me lembrem de falar sobre isso, please.

Com o tempo, vamos incluir fotos, vídeos, bootlegs e outras tralhas aqui como memória coletiva deste processo todo que é virar uma banda; e para isso, contamos com a participação de vocês. Abriremos os comentários, mas só pra quem se comportar, ou não for um boot malicioso sabotando as internetz (em português, os comentários são avaliados, só pra limpar o spam).

Só para abrir o apetite para postagens vou soltar uma pérola: temos no momento cinco membros regulares na banda. Chutem quantos deles são engenheiros...

Até daqui a pouco!